Estamos trabalhando em Home Office SAIBA MAIS

BLOG

NOTÍCIAS

Blog Single Image

POR QUE AS EMPRESAS DEVEM INVESTIR EM MARKETING DIGITAL EM 2016.

20-10-13

Investir em Marketing Digital já é uma estratégia conhecida de muitas empresas do mercado e vem cada ano tomando mais o interesse dos gestores, se tornando parte do portfólio de projetos de expansão de mercado. Vários são os motivos que levam as empresas a investirem em canais digitais, dentre eles: o acesso fácil as ferramentas principalmente de redes sociais, custo baixo para iniciar uma estratégia e obter os primeiros resultados, variedade de ferramentas e de cases de sucesso e também por ser uma tendência de gestão como alternativa para superar a crise.

O reflexo de um ambiente incerto e de crise são os resultados que as empresas estão colhendo durante o ano de 2015. Na mídia, as notícias quase nunca são motivadoras levando a acreditarmos que o Brasil está em uma constante decadência econômica, deixando qualquer empreendedor desconfortável na cadeira.

Sentindo que as vendas caíram, os concorrentes fecharam as portas e o consumidor ficou mais seleto, o empresário teve de levantar da cadeira e buscar contornar as dificuldades de mercado para superar os desafios que a nossa instabilidade econômica. Com isso, o Marketing Digital se tornou uma alternativa para crescer e consequentemente obteve destaque em 2015, registrando um crescimento de 14% segundo a ADNEWS, no volume de investimento em serviços relacionados, movimentando uma quantia de 9,3 bilhões de reais.

Embora já seja um tema muito popular, ainda há muitas empresas que não investem em canais digitais ou ainda não se converteram para modelos de negócio que atendem o ambiente online. Por outro lado, há também aquelas empresas que já possuem canais digitais como um site ou uma página no Facebook, mas que também precisam atualizar suas estratégias e se adaptar as tendências.

Listamos nesse artigo, como as empresas que já investem em Marketing Digital podem cobrar mais de seus parceiros.

O ano de 2016, segundo os economistas, promete ser ainda mais desafiador que 2015 para as empresas, projetando-se novamente um recuo econômico. O consumidor está mais rigoroso e escolhe melhor onde vai comprar, porque o orçamento está menor.

Para superar os obstáculos e manter o crescimento mesmo em uma época como essa, as estratégias de Marketing possuem uma relevância ainda maior para o sucesso da organização, pois será grande responsável por atrair novas oportunidades de negócio e aumentar o faturamento.

Acreditamos, desta forma, que 2016 será o ano do Marketing Digital. Por isso listamos aqui alguns motivos que justificam:

O CONSUMIDOR MUDOU A FORMA DE COMPRAR

Segundo o SPC Brasil em uma pesquisa apresentada pela Rede Globo no Jornal Hoje, os consumidores brasileiros estão mais confiantes para comprar na internet, onde apenas 8% dos entrevistados ainda tem medo de comprar pela internet. Parte disso deve-se a crescente de pessoas que aderiram a compra virtual nos últimos anos e se demonstram mais experientes e conhecendo melhor as formas de comprar. Os dados revelam que 93% das pessoas que compram pela rede usam a internet há mais de 3 anos.

Essa transformação está modificando também os resultados das empresas em seus canais de venda. Enquanto o varejo tradicional enfrentou nos três últimos anos queda nas vendas, o mercado do e-commerce cresce acima dos dois dígitos. Em 2014, o aumento no faturamento das lojas virtuais foi de 24% em comparação com o ano de 2013 (até o momento da publicação do post, não havia sido fechado o ano de 2015).

Outros setores além do varejo tradicional de produtos também vem sofrendo transformações. O mercado de viagens e pacotes de turismo e negócios também está acompanhando o crescimento. Um trabalho que antes era feito por agências de viagens, agora pela internet  um crescimento no faturamento de 14% de 2014 para 2015 em expectativa e deve manter acima de 10% até 2017.

São reflexos das transformações sociais que a os consumidores estão passando. Se por um lado o mercado parece estar em crise, esta não afeta alguns setores e aqueles que conseguem transformar seus negócios em máquinas de vendas virtuais, conseguem aumentar sua competitividade frente aos concorrentes.

A COMODITIZAÇÃO DE PRODUTOS AUMENTOU A BRIGA POR PREÇOS

Uma commodity é um produto primário na qual seu preço é determinado apenas pela oferta e demanda. Quando usamos o termo comoditização de produtos, queremos nos referir aos produtos que possuem baixo valor agregado, ou seja, o consumidor toma decisão de compra apenas pela comparação de preço. Conhece alguma empresa que está perdendo clientes por que o preço da internet é menor?

Nesses casos, é muito difícil vencer as empresas virtuais pela alta competitividade de preço. Para ficar mais claro, basta um exemplo: a Netshoes possui um poder de barganha muito maior do que uma loja regional, por isso é difícil que a loja de calçados de sua cidade consiga ter um preço maior. Afinal, além da barganha a loja ainda tem os custos com vendedores, comissão, estrutura física, vitrine, produtos expostos e uma série de outras despesas que tornam o produto mais caro.

Produtos que possuem características idênticas, como calçados, eletroeletrônicos, eletrodomésticos ou móveis estão se tornando comoditizados do ponto de vista do cliente, porque não há diferença para o consumidor no que ele está recebendo.

A alternativa que as empresas estão encontrando para superar os produtos comoditizados é investir em uma experiência mais aprimorada e exclusiva para o cliente, agregando valor principalmente com serviços internos e externos complementares. Um exemplo é a própria Netshoes, que faz a personalização de chuteiras, camisas e outros equipamentos esportivos.

OS BRASILEIROS ESTÃO MAIS CONECTADOS DO QUE NUNCA

A mídia já está veiculando há algum tempo que o uso de equipamentos móveis está crescendo cada vez mais, então o fato de que a maioria da população possui um smartphone e acesso a internet não é uma novidade. Porém, o que está em crescente expansão são as compras realizadas por dispositivos móveis.

Dentro desse contexto, o que está aumentando muito são as vendas via dispositivos móveis. Segundo as estimativas da empresa Criteo, 30% das compras realizadas na internet em 2014 foram feitas a partir de dispositivos móveis e em 2015, a expectativa é de mais de 30% de crescimento nesse volume de vendas.

Para se adequar a esse contexto, as empresas precisam, no mínimo, ter um site responsivo, que é capaz de adequar o conteúdo automaticamente para dispositivos móveis como smartphones ou tablets.

As grandes empresas do varejo já possuem aplicativos específicos para celular, possibilitando que as compras sejam feitas da mesma forma, ou até mais fácil do que pelo próprio site.

Indo além, a Amazon lançou nos Estados Unidos um dispositivo conectado na internet chamado Dash Button, que possibilita as pessoas encomendarem produtos básicos da casa apenas pressionando um botão. Após realizar o pedido, a empresa realiza a entrega conforme as informações de cadastro na conta do cliente.

A VIDA DOS VENDEDORES ESTÁ MAIS DIFÍCIL

A maioria dos consumidores já entra na loja com sua decisão tomada, tendo o vendedor pouca influência sobre o visitante. Isso porque a quantidade de informações disponíveis sobre produtos, serviços e marcas é maior do que nunca.

O Google lançou uma publicação gratuita em 2011 chamada ZMOT: O momento Zero da Verdade. Segundo a gigante de tecnologia, as pessoas realizam pesquisas sobre o que desejam comprar muito antes de gastar seu dinheiro de fato. No blog Think With Google é possível analisar qual o impacto de cada canal de mídia digital e quais informações são consumidas pelo cliente durante suas pesquisas e quanto tempo leva do desenvolvimento da necessidade até a compra.

Nesse contexto, pode parecer que o vendedor se torna inútil, certo? Errado! O vendedor nunca foi tão importante, mas seus resultados dependerão de transformar a sua forma de vender, daquele vendedor antigo que sabe mais que seus clientes para uma pessoa que reconhece seus erros e ajuda o cliente a tomar a melhor decisão de compra. Ele deve conhecer de ferramentas digitais e usar todas elas ao seu favor. Por isso, não há mais espaço para vendedores acomodados e sua vida está mais difícil.

O marketing, nesses casos deve dar todo o suporte necessário para a equipe de vendas, criando uma sinergia onde o canal comercial é acelerado e apoiado por todo o trabalho digital.

CONCLUINDO

O Marketing Digital, se antes para as empresas era algo que precisava de atenção e poderia ser um diferencial, hoje é praticamente uma obrigação para aquelas que desejam se manter no mercado e superar a crise. Não apenas porque o dinheiro dos consumidores está mais curto, mas também porque seu comportamento diante de suas decisões está diferente e isso terá um reflexo diretamente.

Portanto, se você percebe que cada dia está mais difícil convencer o consumidor a comprar seu produto, passando por queda nas vendas ou então sentindo que o mercado no seu setor vai apertar, não espere para começar a investir em Marketing Digital e busque entender mais sobre o assunto. Todo conhecimento será fundamental para o sucesso do seu negócio.

Fonte: www.webspacemarketing.com.br

Por: Renan Freitas

COMENTÁRIOS